sábado, maio 06, 2006

 

Desconto de quantidade


Um hipermercado encomenda, mensalmente, a Quantidade Económica de Encomenda EOQ = Q1 = 480 unidades de um produto. O custo de fazer uma encomenda, S, é de 30 UM. O custo de posse, T, é de 15% por UM do custo unitário do produto encomendado e por ano. O custo unitário, C1, do produto encomendado é 10 UM. Então

Número de encomendas anuais = N1 = 12

Custo de encomenda anual = S N1 = 360 UM / ano

Custo de posse anual = Q1 T C1 / 2 = 360 UM / ano

Custo variável anual [Cv (Q)] = S N1 + Q1 T C1 / 2 = 720 UM / ano

Valor do consumo anual = Q1 N1 C1 = 57 600 UM / ano

O hipermercado recebeu uma nova proposta do fornecedor. Este sugere que o hipermercado duplique a quantidade encomendada, oferecendo, em contrapartida, um desconto no preço.

Para que a proposta seja vantajosa, para o hipermercado, o novo custo unitário, C2, do produto tem que satisfazer a seguinte inequação:

C2 ≤ [C1 (N1 + T / 2) / (N1 + T)] + (S N1) / [2 (N1 + T) Q1]

C2 ≤ 10 x 0,9938 + 14,81 / 480

C2 ≤ 9,97 UM

Então:

Quantidade encomendada = Q2 = 2 Q1 = 960 unidades

Numero de encomendas anuais = N2 = N1 / 2 = 6

Custo de encomenda anual = S N2 = 180 UM / ano

Custo de posse anual = Q1 T C2 = 718 UM / ano

Custo variável anual = S N + Q1 T C2 = 898 UM / ano

Valor do consumo anual = 2 Q1 N2 C2 = 57 420 UM / ano

À primeira vista, parece óbvio que o hipermercado deve aceitar a proposta do fornecedor. Os custos variáveis anuais, no entanto, aumentaram de 720 para 898 UM, cerca de 25%, compensados por uma equivalente redução no valor do consumo anual. Esta economia, no entanto, só pode ser conhecida se o fornecedor propuser os dois custos, correspondentes às duas quantidades de encomenda diferentes. Se, por iniciativa do hipermercado ou do fornecedor, este só propuser o custo correspondente ao dobro da quantidade económica de encomenda, não será possível saber em que medida o prejuízo «certo», devido ao aumento dos custos variáveis, é compensado por um «hipotético» desconto no custo do produto. É o que pode acontecer se o hipermercado, em vez de fazer a encomenda económica mensal, por qualquer motivo, só encomendar de dois em dois meses, pagando o preço que o fornecedor lhe cobrar.

RAMBAUX, A. – Gestão Económica dos «Stocks», 2.ª ed. Lisboa, Pórtico, s.d.

Comments: Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação



<< Home

This page is powered by Blogger. Isn't yours?